História da linguiça Rosário de Bragança Paulista

“Calabresa Boa de Guerra!”
A participação da força expedicionária brasileira (FEB), na Segunda Guerra Mundial foi extremamente proveitosa para Bragança Paulista. Pois o guerreiro Sr. Octávio Pereira Leme, em sua estadia na Itália experimentou a lingüiça calabresa e se rendeu ao sabor da iguaria. Com um casal de italianos, aprendeu o tempero.
Chegando a sua terra natal, decidiu junto com a sua esposa, Dona Mariquita, a produzir e comercializar a lingüiça calabresa, em 1947 no Bar Rosário. Foi sucesso imediato. E a cidade pegou fama por fabricar a melhor lingüiça do estado de São Paulo.
Octávio e Mariquita, após quase duas décadas trabalhando juntos, deixaram as lingüiças para serem penduradas por outros. O casal Sr. Manoel e Dona Ginolina assumiram o comando do Bar Rosário e a produção da já então famosa lingüiça do Rosário, mantendo o tempero e a qualidade a risca.
“Só mantivemos o tempero que nos passou, quem compra volta, e dá os parabéns” O sucesso foi tanto que a família unida passaram a viver da produção da lingüiça. O tempero com o tempo foi passado de pais para filhos. Hoje já no comando dos filhos, a lingüiça permanece com o mesmo tempero e qualidade.
“Reconhecemos o pioneirismo do casal, Octávio e Mariquita, e agradecemos nossos pais pela herança de podermos fabricar a tradicional lingüiça de Bragança Paulista. Legalizada e reconhecida até hoje!”
Os herdeiros possuem a fábrica de lingüiça onde produzem 18 sabores e dois restaurantes na cidade, servindo pratos e lanches feitos com a linguiça e vendas da mesma por quilo.

Fábrica: (11) 4033-3190

Restaurante no Bragantino: (11) 4032-8331

Restaurante do Rosário no Portal : (11) 4032-7894

Leandro Toricelli